Notícias

Dirigente campeão ‘de tudo’ com o Inter vê ‘modismo’ em técnicos estrangeiros no Brasil: ‘Não tem uma convicção’


Dirigente campeão ‘de tudo’ com o Inter vê ‘modismo’ em técnicos estrangeiros no Brasil: ‘Não tem uma convicção’

Por muitos anos executivo de futebol do

Colorado

, Newton Drummond concedeu entrevista exclusiva ao

ESPN.com.br

e opinou sobre a busca cada vez maior por técnicos estrangeiros pelos clubes do Brasil

O


Internacional


enfim definiu o seu treinador para a próxima temporada e


anunciou a contratação do uruguaio Alexander ‘Cacique’ Medina, de 43 anos, que estava no Talleres-ARG, nesta última segunda-feira (27)


. Ele é o terceiro técnico estrangeiro consecutivo contratado pelo

Colorado

, depois de

Diego Aguirre

e

Miguel Ángel Ramírez

, que vieram após a saída de

Abel Braga

.

Durante muitos anos executivo de futebol da equipe gaúcha, onde foi campeão “de tudo” (alcunha criada pelo clube e torcida em 2011, após o bicampeonato da

Recopa Sul-Americana

) o dirigente

Newton Drummond

, que neste momento está sem clube após deixar o


Coritiba


, concedeu entrevista exclusiva ao


ESPN.com.br


e abordou sobre o tema dos técnicos estrangeiros no Brasil.

A entrevista foi feita há algumas semanas e o dirigente abordou o tema de uma maneira geral, sem responder especificamente sobre Medina. Inclusive na época Aguirre ainda estava no comando do

Colorado

e só teve a sua saída confirmada no último dia 15 de dezembro.

Newton afirmou que, na sua opinião, a contratação de técnicos estrangeiros por clubes do Brasil passa por um “modismo”. Ele ainda citou o trabalho abaixo das expectativas do espanhol Miguel Ángel Ramínez no Inter, e também os bons trabalhos dos portugueses

Abel Ferreira

e

Jorge Jesus

, no


Palmeiras


e


Flamengo


, respectivamente. Na sua visão, a dupla influenciou esta busca maior por treinadores de fora.

O


Fortaleza


também foi outro clube que apostou num técnico estrangeiro recentemente e trouxe o argentino

Juan Pablo Vojvoda

, que levou o

Leão do Pici

pela primeira vez na história à


Conmebol Libertadores


, e direto à fase de grupos. Newton falou sobre o treinador.



Eu acho um pouco modismo

. Nós temos o exemplo do Internacional, que trouxe o Miguel Ángel Ramírez e que não teve sucesso nenhum. Nós temos, claro, o caso do Jorge Jesus, o Vojvoda, que talvez seja o maior destaque, para mim. Porque pegou um time ‘comum’, no sentido de não ter nenhum jogador de grande destaque, mas é um time que joga, um conjunto muito bem armado e articulado. Eu acho que é um pouco de modismo”, começou por dizer.



Acho que é um pouco de decepção, também, com os brasileiros, que pedem muito e entregam pouco, sem generalizar

. Aí, o Jorge Jesus, o Abel deram certo, então, vamos procurar estrangeiros. Acho que é modismo,

não tem uma convicção

. Nós temos o caso do Cuca, campeão com o


Atlético-MG


, liderando de ponta a ponta e sem dar chance pra ninguém, jogando um bom futebol o tempo inteiro, sem aquelas quedas que tem, às vezes. Ano passado, o Internacional trouxe o Abel [Braga] e foi vice-campeão com um time ‘comum’, também, só não foi campeão, na minha opinião, por um erro de arbitragem. Então, acho que temos que olhar com cuidado para os técnicos estrangeiros. Acho que o olhar tem que se ampliar, como está se fazendo, mas com critério”, concluiu.

Ao todo, Newton Drummond teve quatro passagens como executivo de futebol no Internacional. A primeira entre 2002 a agosto de 2011. Durante o período, o

Colorado

conquistou duas vezes a Libertadores (2006 e 2010) e Recopa Sul-Americana (2007 e 2011), sete vezes o Gauchão, o


Mundial de Clubes


da Fifa (2006), a


Copa Sul-Americana


(2008). Os únicos títulos que não conquistou foram o do


Brasileirão


e


Copa do Brasil


. Além do Inter e

Coxa

, Newton também passou por


Vasco


,


Chapecoense


e

Criciúma

.

Link Original

E pra você que curte o mundo esportivo -- entre agora mesmo em Palpites GE e tenha sempre em mãos as melhores dicas de investimento no futebol brasileiro e internacional.