Notícias

CBF estuda novas linhas no VAR para lances de impedimento


Frames do gol invalidado do Flamengo contra o Botafogo – Foto: Reprodução

BLOG DO GILMAR FERREIRA: Com muito atraso, a Comissão de Arbitragem da CBF decidiu, ao menos, estudar medidas para evitar que as linhas virtuais utilizadas pelo VAR sigam a interferir na essência da regra onze do futebol.

O rigor nos impedimentos milimétricos detectados pela tecnologia nos chamados “casos ajustados” deturpa o conceito criado para impedir que um time obtenha vantagem no posicionamento de seus jogadores em ações de ataque.

Ainda que Wilson Seneme, o diretor do órgão, não tenha uma solução para corrigir o problema, anima saber que finalmente enxergou-se o óbvio.

As linhas virtuais ajudam são muito bem-vindas ao futebol como ferramenta de auxílio à arbitragem.

Mas já faz um ano que a Premier League exigiu de Mike Riley, então diretor da PGMOL (Professional Game Match Officials Limited), uma saída para o exagero que já afugentava patrocinadores e irritava toda a cadeia.

A razão do futebol é o gol.

A disputa pelos espaços no campo visa o ato de colocar a bola dentro da baliza defendida pelo goleiro adversário.

O conjunto de regras foi criado em 1863.

E a “lei do impedimento” visava evitar que os jogadores se posicionassem estrategicamente junto às balizas à espera da bola para a finalização a gol.

Desde então, foram várias as mudanças, mas sempre protegendo a essência do jogo.

E os ingleses não precisaram de mais do que duas temporadas de implementação do VAR para perceber que a ferramenta não poderia jogar contra a emoção.

E o que fizeram?

Sem se voltar contra as determinações da International Board (Ifab), engrossaram as linhas de impedimento.

Assim, quando a linha do atacante se sobrepor a do defensor, o conceito de “mesma linha” torna o lance legal, permitindo a sequência da jogada.

É algo simples que já deveria ter sido adorado por aqui tão logo os ingleses oficializaram o procedimento.

Quantos foram os gols festejados Brasil afora e logo depois invalidados pelo olhar frio da ferramenta implementada para corrigir erros crassos?

Quanto custou aos clubes penalizados a interferência desnecessária em ações que não feriam a ética do jogo levando vantagem nas disputas com o adversário?

É evidente que o experiente Wílson Seneme já enxergou a necessidade de mudanças práticas na leitura destes casos milimétricos.

Pena que, infelizmente, qualquer medida pensada e aprovada agora só será posta em prática em 2023.

Até lá, seguiremos obrigados a aturar a crueldade com os artilheiros…

Link do Artigo do FlaResenha

E pra você que curte o mundo esportivo -- entre agora mesmo em Palpites GE e tenha sempre em mãos as melhores dicas de investimento no futebol brasileiro e internacional.